Diretor curador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araújo ganha uma edição especial na coletânea Arte de Bolso, versão digital. Escrita pelo crítico de arte e jornalista Miguel de Almeida, o e-book reúne entrevista e obras do artista plástico baiano que acumula mais de quatro décadas dedicadas às artes.

“Desenhista, escultor e gravador, Araújo produz uma obra de cepa construtivo-geométrica, com inspiração negra, afrobrasileira: cores fortes e linhas diagonais marcam seus trabalhos. Há nela um caráter totêmico. Algo não usual dentro da tradição geométrica, de sotaque mais racional, expositivo”, descreve o escritor.

Nascido numa tradicional família de ourives, Emanoel Araújo aprendeu marcenaria, linotipia e estudou composição gráfica na Imprensa Oficial de Santo Amaro da Purificação. Em 1959 realizou sua primeira exposição individual ainda em sua terra natal. Mudou-se para Salvador na década de 1960 e ingressou na Escola de Belas Artes da Bahia (UFBA), onde estudou gravura.

Foi premiado com medalha de ouro na 3ª Bienal Gráfica de Florença, Itália, em 1972. E, no ano seguinte, recebeu o prêmio de melhor gravador da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Em 1983, foi a vez do prêmio de melhor escultor pela APCA. Emanoel Araújo também foi diretor do Museu de Arte da Bahia (1981-1983) e lecionou artes gráficas e escultura no Arts College, na The City University of New York (1988).